Varizes podem causar trombose?

Atualizado: Abr 19

Muita gente que tem varizes morre de medo de que elas possam ser as causadoras de uma trombose venosa profunda ou até de um tromboembolismo pulmonar. Mas será que isso pode mesmo acontecer? Fui pesquisar estudos científicos sobre este tema e o resultado da minha pesquisa você confere nos próximos parágrafos.

Trombose venosa e varizes são doenças bastante comuns e que afetam uma parcela considerável da população mundial. Uma das grandes preocupações da pessoa que possui varizes nas pernas é a possibilidade de complicações, como o aparecimento de uma trombose venosa.

Já expliquei no artigo "Trombose venosa profunda: saiba como prevenir e tratar este problema" que a trombose venosa é o entupimento de uma veia causado pela formação de um coágulo de sangue (ou trombo) em seu interior. Há 3 fatores principais que levam à formação desse coágulo: anormalidades no fluxo do sangue (quando o sangue "anda" mais lento do que o normal), anormalidades no próprio sangue (quando existe alguma célula ou fator da coagulação que está alterado e leva a formação do coágulo) e anormalidade na parede da veia (alterações na parede da veia que ativam o sistema de coagulação para evitar sangramento, como quando nos machucamos ou somos submetidos a uma cirurgia). Esses fatores são conhecidos como "tríade de Virchow".


As varizes são veias dilatadas e tortuosas, que apresentam alterações em suas válvulas, dificultando o retorno do sangue de volta para o coração. Descrevi com detalhes o funcionamento das veias no artigo: "Por que eu tenho varizes?". Quando as válvulas estão com problema, o sangue consegue andar em ambas as direções, tanto no sentido correto (do pé para o coração), quanto no sentido oposto, levando a uma dificuldade no retorno e diminuição da sua velocidade (o que na linguagem do ultrassom doppler chamamos de refluxo). E, como eu disse no parágrafo anterior,  esse é um dos fatores que levam à formação dos coágulos. É daí que vem a idéia de que as varizes podem ser um fator de risco para a trombose.


Mas será que isso ocorre mesmo na prática?


Um estudo publicado em 2016 no Journal of Vascular Surgery avaliou com ultrassom doppler as veias de 87 indivíduos que apresentavam episódio atual de trombose venosa profunda, para saber se essas pessoas apresentavam mais veias com refluxo (veias com alterações varicosas) do que pessoas que não possuíam trombose no momento. Os pesquisadores observaram que 44% das pessoas que estavam com trombose apresentavam também refluxo nas veias do sistema superficial. Entretanto, somente 14% das pessoas que não tinham trombose no momento apresentavam o mesmo achado. Isso levou os pesquisadores a concluir que a presença da insuficiência das veias (ou seja, das varizes) é um fator de risco para o surgimento de trombose. (leia o estudo na íntegra clicando aqui) É interessante também notar que não houve diferença no risco de aparecimento de trombose entre os pacientes que possuíam refluxo nas veias e tinham sintomas como dor, cansaço, inchaço e veias varicosas aparentes e os pacientes que não sentiam nada, apesar de apresentarem refluxo nas veias ao ultrassom. Isso aponta para uma coisa importante: mesmo que você não sinta nada, você pode ter uma trombose simplesmente por possuir varizes nas pernas.


Um outro estudo feito na Suíça com base nos dados do sistema de saúde daquele país entre os anos de 1964 e 2008, avaliou o risco de apresentar trombose em pessoas cujos irmãos possuíam diagnóstico de varizes e o risco de ter varizes em pessoas cujos irmão tiveram alguma forma de trombose. Foram analisadas mais de 87.000 pessoas que tiveram trombose e mais de 96.000 pessoas que possuíam varizes e o resultado foi o seguinte: foi observado um maior risco de desenvolver trombose nas pessoas que possuíam irmãos com varizes (1,3 vezes mais risco) assim como foi observada uma maior prevalência de varizes nos irmãos das pessoas que tiveram trombose. Isso leva a crer que tanto as varizes quanto a trombose têm relação com uma predisposição familiar e que o fato de possuir tendência genética ao aparecimento de varizes é um fator de risco para o surgimento de uma trombose. 


Portanto, concluímos que as varizes parecem sim aumentar o risco para a ocorrência de uma trombose.


Sendo assim, vale a pena tratar as veias varicosas assim que diagnosticadas, mesmo que a pessoa não tenha sintomas, buscando diminuir a chance de complicações como a trombose. Se você quiser saber mais a respeito do tratamento das varizes, dê uma olhada nos posts: "Como tratar varizes nas pernas?"e "Como é feita a cirurgia de varizes nas pernas passo-a-passo".


_____________________________________

Sobre a autora


Dra. Juliana Puggina é médica cirurgiã vascular e escreve artigos informativos no blog 'Pernas pra que te quero'. Formada em Medicina pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com residência médica em Cirurgia Vascular e Endovascular pela Universidade de São Paulo (USP). Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular e do American College of Phlebology.


Agende uma Consulta!

Rua Oscar Freire 2250 cj 101 e 102 -Jd. América - São Paulo/SP

Telefone 11 4118 0164 Whatsapp 11 97479 2250

Agende Online

INSTITUTO CIRCULAR

Para Pacientes

Para Médicos e Profissionais de Saúde

Institucional

As informações contidas nesse site têm caráter informativo e educacional. O seu conteúdo jamais deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Em caso de dúvida, o profissional médico deverá ser consultado, pois, somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.

Contato

Tel: 11 4118 0164

Whatsapp: 11 99717 0557

contato@institutocircular.com.br

Rua Oscar Freire 2250 cj 101

Jardim América - São Paulo/SP

CEP: 05409-011

Horário de Funcionamento

Segunda a sexta 09 às 21h

Responsável Técnico

Dra. Juliana Puggina

CRM -SP 134.963 - RQE 48.682

Siga o Instituto Circular nas Redes Sociais

  • Instagram Instituto Circular
  • Canal do Instituto Circular YouTube
  • Fanpage Facebook Instituto Circular
  • LinkedIn do Instituto Circular
  • Twitter do Instituto Circular

©2019 por Instituto Circular - Puggina Serviços Médicos LTDA CNPJ 18.613.012/0001-57 - Todos os Direitos Reservados